Bienal de Veneza

Cheguei a Veneza para visitar um dos maiores eventos de arte do mundo: a Bienal de Veneza!

DSC_0240

Chegando na estação tive que pegar um Vaporetto, um barco (o ônibus de Veneza) que navega pelos canais até chegar ao espaço onde está acontecendo a exposição.

6

Foram 40 minutos navegando pela belíssima Veneza!

4

Curiosidade: Tudo começou no ano 452, quando habitantes do nordeste italiano se refugiaram nas ilhas de uma grande lagoa de água doce, à beira do Mar Adriático, para escapar das invasões bárbaras que puseram fim ao Império Romano. Nesse local, parte de uma região chamada Veneto, havia 120 ilhotas, cortadas por 177 canais, e os primeiros moradores ocuparam justamente as áreas secas, de terra firme. Quando as ilhas já estavam completamente tomadas, a cidade começou a avançar sobre as águas. Foram construídas passarelas suspensas ao lado das fachadas e 40 canais deixaram de existir, conforme os moradores foram construindo anexos às suas casas.

3

Os aterros tornaram-se comuns, com os canais ficando cada vez mais estreitos, à medida que a cidade crescia. No princípio, a cidade foi toda edificada em madeira, com as fundações das casas fincadas entre 2 a 5 metros de profundidade. Alguns séculos depois, as pedras passaram a ser o principal material de construção, utilizadas também, a partir do século X, para forrar as margens dos canais.

2

Na Bienal de Veneza!! Esta é a 56.ª edição!!

DSC_0104

Abriu no dia 9 de maio e vai até 22 de novembro!

DSC_0105

São 136 artistas de 53 países sob o tema All the World’s Futures (Todos os Futuros do Mundo)

DSC_0107

“Durante os dois últimos séculos, as mudanças radicais geraram novas e fascinantes ideias usadas por artistas, escritores, realizadores, performers, compositores e músicos. O tema da Bienal de 2015 será um projeto para criar uma nova avaliação da relação entre a arte e os artistas diante do atual estado das coisas”, palavras do curador da Bienal, Okwui Enwezor.

DSC_0110

DSC_0131

Este trabalho é do argentino Eduardo Basualdo

DSC_0134

Estas pinturas do Paquistão, de Huma Bhabha.DSC_0139

DSC_0136

O espaço dos pavilhões da Bienal são muito bonitos, uma mistura de rústico com detalhes modernos!

DSC_0138

DSC_0143

Estas fotografias de faces são do francês Chris Marker

DSC_0148

Estas pinturas são sobre papel do sul africano Kay Hassan

DSC_0152Achei que encontraria mais instalações do que pinturas e desenhos, mas o número é bem equilibrado.

DSC_0153

Toda a exposição colocada de uma maneira muito agradável para se andar por entre as obras.

DSC_0154

DSC_0155

Rupali Gupte da India é o responsável por esta instalação com madeiras

DSC_0157

DSC_0161

Estas pinturas de humanos de ponta cabeça são do alemão Georg Baselitz

DSC_0163

Esta é uma sala com uma instalação muito interessante, na parede são fotos de pessoas comuns, na rua, no metro, em casa, etc. E neste painel azul no teto são fotos 3 x 4 digitais de milhares de pessoas, e as imagens a cada poucos segundos são trocadas.

DSC_0164

São muitas salas para serem visitadas nos pavilhões, mas tudo muito bem organizado e com indicações em todos os lugares.

DSC_0166

DSC_0167

Saindo dos pavilhões eu fui para o Giardini, onde estão a maioria dos países, entre eles o Brasil.

DSC_0184

O Jardim fica entre belíssimos canais de Veneza

DSC_0185

 

DSC_0186

Este é o espaço do Brasil! E a obra é do artista Antonio Manuel

DSC_0187

São espaços completamente diferentes uns dos outros. Alguns países optaram por instalações, outros por pinturas, esculturas e muitos por recursos tecnológicos.

DSC_0191

O que se percebe é que dentro do tema proposto pela Bienal:todos os futuros do mundo, a maioria mostrou um lado negativo, mais pesado. Mas claro, muitos com uma linguagem de esperança também.

DSC_0192

Ao visitarmos uma exposição como uma Bienal, precisamos estar abertos para entender todas as formas de expressão artística. O que cada artista quis dizer, qual é a história dele e por que ele se expressa desta forma.

DSC_0193

Um exemplo é esta obra da Áustria, onde no espaço encontramos uma sala branca e um banco também branco.

DSC_0194

DSC_0197

DSC_0199

Lindas obras de Adrian Ghenie da Romênia

DSC_0207

DSC_0214

Corredores do jardim entre as exposições.

DSC_0215

Uma exposição que gostei muito foi esta da Holanda do artista Heman de Vries

DSC_0216

Ele trabalhou com sementes, folhas e terra…por que será que me identifiquei com esta obra??rsrsr

DSC_0217

Mas é assim, precisamos estar abertos ao novo, ao diferente, mas sempre dentro das nossas experiências nos identificamos com algo que passa a ser mais significativo, que mexe com nossas emoções!

Este é o papel da arte!!

DSC_0218

DSC_0220

Se ligarmos todas as imagens (pinturas, desenhos, esculturas, instalações) ao tema Todos os futuros do mundo, sempre teremos uma interpretação, talvez igual ou diferente das milhares de pessoas que irão também visualizá-la.

DSC_0221

Uma pilha de malas?

DSC_0222Uma árvore seca caída ao chão?

DSC_0227

DSC_0228

Esta é uma obra de Tetsuya Ishida, do Japão. Crianças sendo montadas como robôs…será o futuro?

DSC_0229

Para terminar, mais algumas imagens deste lindo Jardim repleto de arte!

Arrivederci Veneza!!!

DSC_0177

DSC_0180

DSC_0182

DSC_0183

Página 3 de 1212345...10...Última »